quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Chaves - Pelas margens do Tâmega

É sempre agradável um passeio pela ciclovia deste rio, mesmo no Inverno. Os campos não se encontram ainda floridos mas as árvores, sem folhas, tornam-se mais transparentes, deixando ver ambas as margens. O rio nesta altura apresenta um caudal fabuloso, e podemos apreciar alguns miradouros que ficaram do antigo casario quase debruçados sobre as águas. Comecemos por subir pela margem direita, a montante da ponte romana, surgindo à vista o Museu Nadir Afonso.
 
O edifício do Museu rodeado por ruínas de casas e caminhos antigos.

Miradouro sobre o rio.
Parte da ciclovia normalmente com alguma solidão.
O espelho da outra margem.
Passar à outra margem este ano tem sido difícil, pelo desmoronar da estrutura. 
Uma nota campestre. Lá ao fundo sobrevoavam e pousaram duas cegonhas.
Ponte Engº Carmona, inaugurada em 1952.
Mais um miradouro sobre o rio.
Azenha dos Agapitos. Foi pena ter ficado fora do circuito, pois reconstruída poderia ser um importante apoio dos utilizadores do mesmo, como pausa para um café e espaço de convívio. E também pela função histórica que desempenhou, "moendo o pão de toda a gente".
Aqui podemos apreciar este fabuloso espelho de água.
Com as poldras e a ponte pedonal ao fundo, o leito do rio mantém-se grandioso.
Com o sol quase encoberto, passagem pelo Jardim Cândido Sotto Mayor.
A ponte Trajano indica-nos que a tarde está no fim. E o nosso passeio também.

domingo, 7 de outubro de 2018

Castelo de Monforte de Rio Livre

Quando se aproxima o dia nacional dos castelos, com um sol convidativo, nada melhor do que um passeio ao castelo de Monforte, principalmente para conhecer como decorrem os trabalhos de intervenção, por parte da Direcção Regional de Cultura do Norte, do denominado Projecto "Castelos a Norte". Projecto de revitalização que abrange além deste, os castelos de Montalegre, Outeiro, Mogadouro e Miranda do Douro, com acções de recuperação, divulgação e promoção turístico-cultural.
Além da deslumbrante paisagem que do alto das muralhas se avista, apenas se dá conta do corte de vegetação que encobria o espaço da vila de Monforte que circunda o castelo. Ficaram à vista as partes da cerca já desfeita, bem como as ruínas de habitações no interior da vila. Das três portas em arco, de que a vila dispunha para comunicar com o exterior, apenas se mantém uma - Porta da Galiza ou do Galeão.
Não conhecendo em pormenor o desenvolvimento do Projecto, parece-me ser de toda a importância uma intervenção a nível arqueológico, que possa contribuir para um melhor conhecimento dos arruamentos da vila; da praça onde se situavam a casa da câmara, a cadeia e o pelourinho; bem como o espaço ocupado pela igreja matriz de S. Pedro, transferida para a aldeia de Águas Frias, entre 1782 e 1789, sendo então abade da paróquia Diogo de Sousa Pereira Coutinho.
De acordo com o desenho de Duarte D`Armas de 1509, a igreja matriz de S. Pedro, que também serviu de cemitério da vila até àquela data (1789), localizava-se junto à porta principal de acesso à vila, denominada porta de Bragança.
Torna-se também absolutamente necessário melhorar os acessos ao castelo a partir da EN 103, uma vez que um carro normal tem muita dificuldade em lá chegar. 

Castelo de Monforte de Rio Livre

Aldeia de Águas Frias
  
Linda paisagem onde se inclui a barragem das Nogueirinhas

Escadas de acesso às muralhas do castelo

Praça principal da Vila de Monforte

Ruínas de edifícios da Praça adossados à muralha

Porta do Galeão

 
Porta do Galeão vista do interior

Ruínas de moradias dentro da cerca


Ruínas de habitações

Ruínas localizadas próximo da muralha

Ruínas junto à porta de Bragança - 1ª.

2ª.
3ª.


domingo, 24 de junho de 2018

Chaves, Tâmega. Por este rio acima!





Um passeio pedonal sempre agradável. Ao fim da tarde, nestes dias de calor, subindo pela margem esquerda. Uma paisagem sempre bela, verde e florida, agora mais triste, com muitas folhas e ramos pelo chão. O vendaval do passado dia 21 deixou, por aqui, as suas marcas.


Ribeiro a desaguar no rio, ainda com águas turvas.
cerejeira fustigada pelo granizo
Campo normalmente muito florido, nesta altura
Açude de Santa Cruz
Presença simpática das ovelhinhas no circuito......
O rio Tâmega, sempre belo, aproxima-se da ponte de S. Roque.